Seja metódico(a)!

A sua preparação para o enfrentamento de questões de redação em vestibulares, concursos e Enem requer método de estudo.

Seja, portanto, metódico(a) desde agora.

Planeje os seus estudos de modo a distribuir equilibradamente atenções a todas as matérias ao longo do ano letivo.

Quanto à nossa disciplina, crie em sua agenda semanal pelo menos dois momentos de 1h30min para a produção textual.

Durante cada treinamento, não admita ser interrompido(a), salvo em situações extraordinárias.

Ainda mais, tenha por hábito guardar em ordem cronológica todos os textos produzidos na fase de preparação.

Assim fazendo, você terá como melhor visualizar a sua evolução.

Vez por outra, consulte os textos já corrigidos e reconsidere as observações assinaladas pelo(a) professor(a).

Para aprofundar o estudo, adquira os nossos livros Dissertação Nota MilRedação para Vestibulares, Concursos e Enem.

Bons estudos!

Calma, devagar se vai ao longe!

Calma, seja paciente consigo mesmo(a)!

Não queira tornar-se bom(boa) escritor(a) da noite para o dia como que em passe de mágica.

A maturidade linguística estará a caminho em um processo.

Para alguns, isso pode parecer longo demais; para outros, nem tanto.

Em seus treinamentos de produção textual, encare cada deslize observado pelo professor como nova oportunidade de retificação da aprendizagem.

Não admita, portanto, repetir os erros observados em trabalhos anteriores.

Seja paciente, sim, mas não frouxo(a) na observância dos pontos que mereçam ser melhorados em sua redação.

Busque ser perfeccionista e rigoroso(a) no acatamento das correções sugeridas.

Não tolere comodismo nem admita desânimo.

Mais dicas? Adquira os nossos livros!

Boa leitura!

Seja metódico(a)!

Aí vai uma boa dica para este próximo começo de ano letivo: seja metódico(a).

Crie em sua agenda semanal pelo menos dois momentos de 1h30 para a produção textual.

Durante os treinamentos, não admita ser interrompido(a), salvo em situações extraordinárias (fim do mundo, por exemplo!).

Ainda mais, tenha por hábito guardar em ordem cronológica todos os textos produzidos na fase de preparação.

Assim fazendo, você terá como melhor visualizar a sua evolução com o passar do tempo.

Vez por outra, consulte os textos já corrigidos e reconsidere as observações assinaladas pelo(a) professor(a).

Para aprofundar o seu estudo, adquira os nossos livros!

Em Fortaleza, como livro impresso, na livraria Acadêmica e no Shopping Avenida Avenida (Loja HBM).

Boa leitura!

Como esquematizar dissertações baseadas em provérbios e frases de efeito

Recomendamos o seguinte esquema para textos dissertativos de até 30 linhas:

Introdução: breve contextualização (se for o caso) + apresentação da tese do(s) texto(s) oferecido(s) na forma de reescritura – não é cópia! – da(s) mensagem(ns) + citação de argumentos que possam sustentá-la + plano de curso + objetivo(s) do texto (se for o caso).

Parágrafos mediais: reapresentação e expansão dos argumentos (exemplos, relações de implicação, constatações, dados estatísticos, fatos históricos, aplicações, comentários).

Conclusão: expressão inicial (facultativa) + confirmação da tese do texto (a mesma da Introdução) + apresentação de soluções à situação-problema da questão (competência 5 do Enem, se for o caso) + apreciação final.

Considere o exemplo de texto que segue, baseado na seguinte proposta:

Errar é humano, mas persistir no erro é tolice. Produza uma dissertação que aplique a mensagem desse pensamento popular.

Errar, sim; presistir no erro, não.

O ser humano é falível (apresentação da tese) e, como tal, por mais bem preparado esteja para a realização de atividades as quais lhe digam respeito, está sujeito a enfrentar insucessos em suas empreitadas na forma de frustrações que, não obstante possam desapontá-lo, poderão fazê-lo repensar nas causas que as motivaram e adotar procedimentos corretivos, pois do contrário haverá grandes chances de os erros se repetirem, o que, longe de ser virtude, é tolice. (desdobramentos da tese) É o que se procurará provar neste texto. (plano de curso do texto)

Tolo é quem não reconhece a sua falibilidade (primeira expansão da tese). A soberba do homem poderá torná-lo tão senhor de si, a ponto de julgar-se infalível e não mais sujeito a deslizes em suas atividades profissionais e pessoais. Quem assim procede poderá experimentar na própria carne a aplicação do provérbio bíblico que afirma ser a soberba o prenúncio da ruína. (implicações da primeira expansão da tese)

Tolo, ainda, é quem não está aberto a novos procedimentos. (segunda expansão da tese) Em dias céleres como os da atualidade, abrir as mentes a novidades e a novas condutas é sinal de sabedoria. Quem não aproveita a experiência do erro para pesquisar soluções para os seus fracassos e crescer na busca do conhecimento que possa fazer de si um vencedor está fadado a viver em círculos viciosos que o condenarão ao desalento, ao comodismo e ao derrotismo. Isso é tolice. (implicações da segunda expansão da tese)

Tolo, finalmente, é quem confunde o persistir no erro como sinal de virtuosismo. (terceira expansão da tese)  A perseverança, a obstinação e a resilência são atributos importantes para a consecução dos objetivos de vida; sim, desde que num quadro saudável de busca por resultados, uma vez que a repetição insana do erro – longe de ser virtude – é sinal de falta de sensibilidade, autocrítica e esmero diante das adversidades. (implicações da terceira expansão da tese)

Infeliz daquele que se suponha perfeito, pois errar é da natureza humana. (confirmação da tese) Fazer, portanto, de cada erro oportunidade de crescimento pessoal e profissional em proveito de novos empreendimentos é conduta de quem sabe lidar com o fracasso. (competência 5 do Enem) Simplesmente persistir no erro, portanto, sem dele tirar ensinamentos, é tolice. (apreciação final)

Desenvolva o senso crítico!

Em questões de redação de vestibulares, concursos e Enem, leva vantagem o candidato que, ao longo de sua fase de preparação, aprimorou o senso crítico mercê da observação do mundo que o rodeia.

Seja questionador(a), não aceite a realidade dos fatos sem antes refletir e perguntar a si próprio(a) se não poderia ser diferente ou quem sabe melhor.

Lembre-se de que, em ambientes de prova, tem sido mais comum o pedido da produção de dissertações argumentativas de até 30 linhas.

Ora, a própria natureza desse tipo de texto já revela que você deverá emitir uma tese (opinião) sobre determinado assunto e sustentá-la com argumentos que tornem o texto convincente.

Ainda mais, deverá apresentar duas ou três propostas de intervenção relacionadas à situação-problema da questão.

Conclusão: se não houver ideia formada sobre o assunto solicitado nem proposta de intervenção, não haverá texto.  Exige-se, assim, senso crítico!

Procure, pois, praticar individual e rotineiramente o exercício intelectual de opinar sobre os mais relevantes assuntos nacionais e de buscar possíveis intervenções para as mais diversas situações-problema conforme cada caso.

Bons estudos!