Blog

A cada dois dias, novo conteúdo para você ir descortinando os mistérios do escrever bem!

As mil e uma aparições dos “quês”

Saber distinguir a que classes gramaticais pertençam os “quês” e reconhecer as suas possíveis funções sintáticas em cada construção frasal é ponto ganho em questões objetivas de gramática e interpretação de textos, além de prenúncio de boa fluência linguística. Recorde as possibilidades de emprego dos “quês” nas frases que seguem: substantivo: Você está com um quê de…

Como argumentar com clareza

A palavra texto, como você sabe, significa “tecido”. Com efeito, trata-se de um tecido composto de palavras que se reúnem em orações, orações que formam períodos e períodos que constituem parágrafos, os quais, perfeitamente encadeados, dão sentido ao texto. É o que se espera de sua redação. Assim acontece com quem se dispõe a escrever…

Argumente com impessoalidade

O texto dissertativo argumentativo deve primar pela impessoalidade. Dessa forma,  não use a primeira pessoal do singular (“eu”) na condução da argumentação. Quando você traz a argumentação para a primeira pessoa, o texto fica contaminado pelo personalismo de quem disserta e pode descambar para o emocionalismo, a generalização e o radicalismo, dentre outros vícios de pensamento, conforme o…

Como concluir uma dissertação

Há alunos que não sabem concluir um texto dissertativo e fazem o leitor, no último parágrafo, despencar em precipício sem volta. Para evitar isso, observe as dicas que seguem: Dê um toque final à redação, reafirmando o tema apresentado na Introdução, arrematando as ideias principais, ou a principal, e apresentando possíveis soluções para o problema discutido ao longo…

Você reconhece o valor semântico das preposições?

São várias as contribuições de significado das preposições como elos entre as fatias de enunciação de ideias de um texto de qualquer natureza. Tirar o melhor proveito das construções frasais, às quais são imprescindíveis as preposições, é virtude de quem, como escritor, manipula bem os recursos de linguagem e, como leitor, reconhece com exatidão os possíveis…

Desencadeadores de ideias para textos narrativos

Observe algumas dicas importantes para você não ter dificuldade de levantar ideias para a produção de textos narrativos: Mesmo que fortemente figurativos, lembre-se de que os textos narrativos têm como pano de fundo uma tese a ser desenvolvida, ou seja, uma opinião a ser defendida; comece, portanto, por ela. Escolha o cenário e os personagens com…

Como buscar ideias para textos descritivos

Puramente descrever não é tão fácil quanto parece. Observe, assim, as dicas que seguem: Inicialmente, identifique o que deva ser descrito. Diferentes possibilidades poderão existir: descrever seres vivos, por exemplo, é muito diferente de descrever ambientes ou paisagens. Lembre-se de que você pode descrever não apenas pelo que vê, mas também pelo que possa sentir diante do objeto…

Como buscar ideias para textos publicitários

Escrever textos publicitários requer não somente inspiração. É preciso também buscar desencadeadores de ideias a fim de obter o melhor proveito possível da veiculação do texto em benefício da divulgação de  determinado produto. Ao planejá-lo, pense em pelo menos três possíveis vantagens a serem oferecidas aos adquirentes como forma de atraí-los para o seu produto:…

Você sabe usar o ponto-e-vírgula?

Esta é uma questão que traz embaraços : o uso do ponto-e-vírgula. Observe duas situações em que você poderá usá-los com acerto: para separar orações coordenadas de certa  extensão. Exemplo: O professor, muito atenciosamente, solicitou-nos aguardar pelas notas da prova enquanto ultimava a correção e conferia a exatidão dos lançamentos; foi preciso, pois, muita paciência, em…

Não há como argumentar sem estabelecer relações de implicação.

Para bem argumentar, você deverá ser capaz de articular ideias sobre a linha de pensamento. Isso somente será possível se dominar as estruturas frasais básicas e manipular as suas interdependências, quer por coordenação, quer por subordinação. Recorde as possíveis relações de implicação por coordenação: mediante o emprego de orações  coordenadas  assindéticas (sem conectores). Ex.: Cheguei, abracei-o, desfaleci. por…

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.


Siga meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.