Fuja do blá-blá-blá

A linguagem do texto dissertativo-argumentativo, como você já sabe, deve primar pela clareza.

Há dois fatores que podem comprometê-la:

# a inserção de excessivas informações entre o sujeito e o predicado.

# a longa extensão dos períodos.

Procure, assim, ser conciso no uso das intercalações (use-as somente quando absolutamente necessárias!).

Ainda mais: abra novo período toda vez que, por exemplo, mudar de argumento a ser desenvolvido.

Esteja também sempre de olho na extensão do que você escreve a fim de não tornar o texto longo demais.

À medida que você vá desenvolvendo o texto em diferentes parágrafos, tenha sempre em mente a busca pela melhor articulação possível no sentido da profundidade do texto, a fim de que haja suave progressão e lógica na exposição do conteúdo.

Textos muito longos ou mal articulados obrigam o leitor a proceder releituras para assimilar as informações e concatenar as fatias de entendimento de cada fragmento. Isso não é interessante!

Sendo assim, crie o reflexo de escrever com o menor número possível de palavras nas frases, de orações nos períodos e de períodos nos parágrafos.

Dessa forma, você estará diminuindo as unidades de memorização a serem processadas pelo leitor e agilizando a leitura e compreensão do texto.

Não deixe de treinar, treinar e…treinar!

A tese não deve tratar de truísmos

Tese, você já sabe, é a sua opinião sobre determinado assunto.

Não basta, entretanto, apenas opinar.

É preciso ir mais além: saber sustentar o posicionamento crítico  com argumentos que se somem e convençam o leitor a acatar a ideia-força do texto.

Elabore teses que pressuponham a necessidade de argumentação.

Do contrário você não terá o que escrever no desenvolvimento do texto. Sim, a fim de convencer o leitor da procedência do seu ponto de vista.

Seria chover no molhado, por exemplo, um texto dissertativo-argumentativo cuja tese fosse uma verdade inquestionável (truísmo) como A Terra é redonda.

Lembre-se de que  argumentar é convencer pelas evidências.

Será inútil, portanto, tentar convencer o leitor de uma ideia-força cujas evidências  já sejam de domínio público.

Treinar, treinar e…treinar a produção textual é o segredo dos campeões!

Agora é com você!

Use termos de transição entre períodos e parágrafos

Os jatos de ideias de um texto argumentativo de até 30 linhas, como o que você terá de produzir em ambiente de prova, precisam estar muito bem sequenciados.

A fragmentação da linha de pensamento e da linguagem  poderá comprometer a clareza do posicionamento que você queira defender e até mesmo tornar o texto incoerente ou ininteligível.

Portanto, dê especial atenção a expressões que possam funcionar como operadores de sequenciação, tais como os termos de transição abaixo:

Para introduzir ideia de…

Exemplos de operadores de sequenciação

…afirmação certamente, indubitavelmente, irrefutavelmente, de fato, por certo, seguramente, inquestionavelmente.
…conclusão em suma, em resumo, em síntese, logo, infere-se.
…consequência consequentemente, com efeito, assim, dessa forma, por conseguinte.
…dúvida talvez, provavelmente, quiçá, é provável que.
…ênfase até mesmo, no mínimo, no máximo.
…exclusão exceto, salvo, senão, a não ser.
…explicação a saber, ou seja, isto é, por exemplo, a exemplo de, a saber, haja vista que, na medida em que.
…frequência amiúde, frequentemente, repetidamente, com frequência, com regularidade.
…inclusão inclusive, também, mesmo, até, até mesmo.
…oposição pelo contrário, em oposição a, ao contrário de.
…prioridade prioritariamente, antes de tudo, acima de tudo, mormente, primeiramente, em primeiro lugar.
…restrição só, unicamente, somente, apenas.
…retificação aliás, ou melhor, ou seja.
…tempo antes, anteriormente, depois, posteriormente, a seguir, no prosseguimento, antecipadamente.

A tese deve ser concisa e precisa

Tese nada mais é do que a sua opinião sobre determinado assunto.

Por exemplo, quando você afirma que “viajar amplia a nossa visão de mundo”, já emitiu uma tese a respeito do assunto “benefícios de uma viagem”.

Antes de escrever a tese do seu texto dissertativo-argumentativo, pense na melhor maneira de explicitá-la.

É sempre bom realçar que a tese é o nascedouro do seu texto argumentativo, sem a qual não haverá o que possa ser defendido.

Por isso, seja conciso e preciso ao enunciá-la.

Se você achar por bem oferecer ao leitor alguma contextualização antes da apresentação da tese, seja comedido, pois contextualizações muito longas poderão abafar o seu posicionamento sobre determinado assunto e tirar a força da argumentação.

Por exemplo, se solicitado(a) a dissertar sobre os malefícios do fumo, não há razão para tergiversar em torno do que possa ser dito concisa e precisamente: Fumar é prejudicial à saúde.

Exemplo de parágrafo dissertativo-argumentativo:

Fumar é prejudicial à saúde, (apresentação da tese) tendo em vista que (conector) desencadeia dependência física e psíquica à ingestão da fumaça do tabaco e predispõe os fumantes a padecer de cânceres, sofrer infartos e a desenvolver enfisemas pulmonares. (apresentação dos argumentos de sustentação da tese). Diante disso, principalmente os jovens devem ser orientados a respeito dos riscos a que poderão se expor. (conclusão do parágrafo)

Agora é com você! Não deixe de treinar!

Se desejar, contrate os nossos serviços de correção de texto.

 

Use o bisturi em seu texto

Esteja atento à linguagem formal inerente aos textos dissertativos.

Fuja das frases feitas (modismos, clichês) e dos pleonasmos (redundâncias ou tautologias) aos quais estamos sujeitos por contaminação da linguagem oral, principalmente em conversas informais, durante as quais poderemos ser tentados a utilizá-los como facilitadores da enunciação de nossas ideias, o que, dependendo do contexto, até certo ponto é aceitável.

Na produção do seu texto, entretanto, seja criterioso(a) e use o bisturi para eliminar clichês.

Reveja alguns dos clichês mais comuns em redações:

  • agarrar com unhas e dentes (substitua por “aproveitar as oportunidades”, “mostrar-se resoluto a…”);
  • cair com uma bomba (prefira “repercutir”, “alarmar”, “sobressaltar”, “surpreender”);
  • chegar a um denominador comum (troque por “concordar”, “consentir”, “convergir”);
  • colocar um ponto final (dê preferência a “finalizar”, “concluir”);
  • faca de dois gumes (opte por “temerário”, “arriscado”, “perigoso”, “imprevisível”).
  • dar o pontapé inicial (prefira “inaugurar”, “lançar”).
  • encerrar com chave de ouro (use “concluir com êxito”).

Elimine também expressões pleonásticas como a partir de agora, absoluta certeza, acabamento final, juntamente com, expressamente proibido, destaque excepcional, pequenos detalhes, vereador da cidade, outra alternativa, conviver junto, multidão de pessoas, compartilhar conosco, passatempo passageiro, breve alocução, rara exceção,  abusar demais, exultar de alegria.

Agora é com você!

Seja criterioso, use o bisturi se necessário!