Categoria: Enem

Tópico frasal por meio de uma generalização

Você já sabe: em textos de vestibulares, concursos e Enem, o Tópico Frasal do parágrafo, em nome da clareza, deve estar logo no início do fragmento.

Aposte também na simplicidade e precisão da linguagem.

Cuidado: avalie bem se o assunto permite uma generalização!

Exemplo:

Privar o homem da própria justiça é a maior das injustiças que se pode cometer (tópico frasal). Hoje em dia nem todos os cidadãos têm livre acesso à assistência judiciária, embora a Carta Magna lhes assegure esse direito. Diante disso, é preciso que a população esteja muito bem informada a respeito das suas garantias.

O nosso livro REDAÇÃO PARA VESTIBULARES, CONCURSOS E ENEM aprofunda o assunto.

 

Bons estudos!

Você pode abrir o parágrafo dissertativo com uma declaração

Você já sabe: o Tópico Frasal (TF), representado por um ou dois períodos curtos, deve estar localizado preferencialmente no início do parágrafo dissertativo.

O TF encerra de modo geral e conciso a ideia-núcleo do parágrafo e facilita a exposição da sua tese (ideia-mãe do texto).

Exemplo de um TF baseado em uma declaração inicial:

Vivemos dias de extremos riscos à integridade individual, principalmente nos grandes centros urbanos (tópico frasal), onde crianças têm sido assediadas por pedófilos; jovens, abordados por traficantes; e idosos, ameaçados por desocupados. 

Adquira o nosso livro DISSERTAÇÃO NOTA MIL para aprofundar o estudo!

Boa leitura!

Tópico frasal por meio de uma definição

O tópico frasal é a ideia-mãe do seu parágrafo dissertativo, motivo pelo qual, em nome da clareza, sugere-se que seja apresentado logo no início do fragmento.

Uma definição pode ser bom recurso para você iniciar um parágrafo dissertativo como antevisão do seu posicionamento crítico a respeito de determinado assunto.

O que definir?

Entenda que você pode definir o que bem entender, do concreto ao abstrato, desde que, logicamente, não fuja do contexto da questão.

Exemplo:

A felicidade, para o materialista compulsivo, poderá resumir-se na aquisição de bens de consumo; ao poeta, na inspiração respondida de seus versos; à mãe, no sucesso de seu filho; ao espiritualista, na meditação em torno de uma causa nobre (tópico frasal). Impossível, pois, entendê-la sob um único prisma, razão pela qual devemos nos render ao abrangente espectro de significados a que o termo remete.

Treine a redação de definições, partindo de seres e objetos concretos até chegar a valores, sentimentos e demais abstrações, pois assim você estará adquirindo desenvoltura para definir praticamente tudo.

Para aprofundar os estudos, adquira o nosso livro Dissertação Nota Mil.

Boa leitura!

Saiba estabelecer relações de implicação adjetivas

As relações de implicação adjetivas entre os enunciados da sua argumentação poderão, conforme o caso, ser estabelecidas com o emprego de orações  subordinadas introduzidas por pronomes relativos (que, o qual, cujo…):

  • explicativas. Ex.: As meninas, que são sensíveis, gostam de confidências.
  • restritivas. Ex.: Feliz o pai cujos filhos são estudiosos.

Nesses casos, fique atento(a) ao emprego das vírgulas.

Veja bem: se, no primeiro exemplo, você deixar de virgular, o sentido do discurso mudará completamente, pois somente as meninas sensíveis passarão a gostar de confidências.

Muitas vezes é possível trocar uma oração adjetiva por apenas um adjetivo que lhe equivalha.

Qual a vantagem dessa troca? Você ganha em concisão!

Exemplo: Os alunos que não se interessarem pelo passeio deverão permanecer na biblioteca.

A oração em negrito é adjetiva restritiva e pode ser substituída por um adjetivo que qualifique o nome ao qual se refira.

Exemplo: Os alunos desinteressados pelo passeio deverão permanecer na biblioteca.

Resultado: você economizou três palavras!

Com isso, de economia em economia você otimizará o uso das linhas disponíveis  para desenvolver novas ideias ou aprofundar a discussão temática.

Só mais uma observação: em dissertações, você já sabe, a linguagem deve primar pela precisão da linguagem.

Sendo assim, empregue os adjetivos moderadamente e somente quando você discernir que possam contribuir para a sua argumentação.

Outras dicas você poderá encontrar em nosso livro Redação para Vestibulares, Concursos e Enem.

Bons estudos!

 

Como escrever com clareza.

Uma boa dica para escrever bem – com clareza acima de tudo – é observar a seguinte ordem na disposição dos termos da oração: Sujeito + Verbo + Complementos.

Esse é um modelo de construção frasal que zela pela simplicidade e torna o discurso mais facilmente compreensível.

A sugestão é adotar, portanto, o padrão SVC, embora nada impeça de você criar algumas inversões para dar uma pitada de novidade ao texto.

Importante: evite a inserção de muitas informações entre o Sujeito e o Predicado.

Por quê? É fácil compreender: o distanciamento excessivo entre o Sujeito e o Predicado e a intromissão de muitas informações entre eles poderá poluir o texto e criar no leitor embaraços ao seu entendimento.

Ainda mais, criará dificuldades a você como redator, pois exigirá muito mais atenção às concordâncias a serem observadas.

Mais dois conselhos:

1º) Seja conciso, ou seja, economize palavras para emitir as suas ideias ou desenvolver os seus argumentos. Guarde isto: em redação, o menos vale mais: menos palavras para o máximo de informações!

2º) Não abuse das intercalações. Se necessário, abra novo período toda vez que mudar o foco dos seus comentários.

Dica: para aprofundar os seus estudos, adquira o nosso livro Dissertação Nota Mil.

Boa leitura!

Faça bom uso das relações de implicação subordinadas adverbiais

As relações de implicação subordinadas adverbiais poderão ser estabelecidas com o emprego das conjunções subordinativas, exceto as integrantes.

Reveja as mais comuns:

  • causais. Ex.: As luzes estão apagadas, porque houve um curto-circuito.
  • comparativas. Ex.: O tenente portou-se como verdadeiro líder.
  • concessivas. Ex.: Embora seja cedo, é melhor voltarmos para casa.
  • condicionais. Ex.: Se você tiver tempo, venha visitar-me.
  • conformativas. Ex.: Saímos cedo, conforme havíamos combinado.
  • consecutivas. Ex.: Comeu tanto que está sem posição.
  • finais. Ex.: A fim de aproveitar a promoção, levantei de madrugada.
  • proporcionais. Ex: À medida que se desenvolve, ele fica mais esguio.
  • temporais. Ex.: Assim que parti, você chegou.

# Não deixe de treinar a produção textual à exaustão.

Se desejar aprofundar o estudo sobre esse assunto, adquira os nossos livros DISSERTAÇÃO NOTA MIL e REDAÇÃO PARA VESTIBULARES, CONCURSOS E ENEM.

Boa leitura!

Saiba reconhecer as relações de implicação subordinadas substantivas

Você pode articular as ideias da sua linha de pensamento mediante relações de implicação por subordinação com valor de substantivo, adjetivo ou advérbio.

Recorde o quadro de possibilidades do primeiro caso, por meio do emprego de orações subordinadas substantivas (introduzidas por conjunção subordinativa integrante “que” ou “se”):

  • subjetivas. Ex.: É conveniente que você decida logo.
  • objetivas  diretas. Ex: Não sei se vou voltar.
  • objetivas  indiretas. Ex: Não duvide do que ela é capaz.
  • predicativas. Ex.: A verdade é que ele não compareceu ao evento.
  • completivas  nominais. Ex.: Estou convicto de que venceremos.
  • apositivas: Ex.: Desejo somente isto: que você seja responsável.

# Um conselho: não deixe de treinar a produção textual à exaustão!

Não há como argumentar sem estabelecer relações de implicação.

Para bem argumentar, você deverá ser capaz de articular ideias sobre a linha de pensamento.

Isso somente será possível se dominar as estruturas frasais básicas e manipular as suas interdependências, quer por coordenação, quer por subordinação.

Recorde as possíveis relações de implicação por coordenação:

  • mediante o emprego de orações  coordenadas  assindéticas (sem conectores). Ex.: Cheguei, abracei-o, desfaleci.
  • por meio do uso de orações  coordenadas  sindéticas (introduzidas por conjunções coordenativas):

aditivas. Ex.: Contei-lhe o segredo e esperei pelo choro.

adversativas. Ex.: Caminhamos muito, mas chegamos animados.

alternativas. Ex.: Estudamos muito ou experimentamos o fracasso.

conclusivas. Ex.: O concurso será difícil; estudemos, pois, bastante.

explicativas. Ex. Já dormiu, porque as luzes estão apagadas.

Quando você estiver desenvolvendo o seu texto, não se esqueça, portanto, de estabelecer relações de implicação  que se somem e fortaleçam a sua opinião (tese) sobre determinado assunto.

Se desejar aprofundar esse estudo, adquira os nossos livros DISSERTAÇÃO NOTA MIL e REDAÇÃO PARA VESTIBULARES, CONCURSOS E ENEM.

Boa leitura!

Saiba quando iniciar um novo parágrafo em dissertações.

Este é um ponto crítico a muitos candidatos: quando iniciar novo parágrafo durante o desenvolvimento do texto dissertativo.

Dica: crie parágrafos sempre que mudar o enfoque da ideia central, o argumento ou ponto de vista sobre o assunto em questão.

À medida que você vá desenvolvendo o texto em diferentes parágrafos, tenha sempre em mente a busca pela melhor articulação possível entre eles no sentido da profundidade do texto.

Verifique se está havendo suave progressão e lógica na exposição do conteúdo.

Estabeleça a correlação de um parágrafo para cada argumento ou ideia a ser desenvolvida.

Evite parágrafos muito longos. Sugerimos de 4 a 6 linhas. 

Em dissertações de até 30 linhas, três diferentes argumentos é suficiente para defender a tese.

Sendo assim, o seu texto ficará com cinco parágrafos, contados os de Introdução e Conclusão.

Não deixe de treinar a produção textual à exaustão.

Se desejar aprofundar o estudo sobre esse assunto, adquira os nossos livros DISSERTAÇÃO NOTA MIL e REDAÇÃO PARA VESTIBULARES, CONCURSOS E ENEM.

Boa leitura!

Saiba como produzir uma notícia em ambiente de prova.

Embora não seja comum o aparecimento de questões que peçam a produção de notícias em vestibulares/concursos/exames, é bom conhecer a sua estrutura para não ser surpreendido(a).

Além do mais, em itens de interpretação/intelecção de textos, fragmentos na forma de notícias têm sido bastante frequentes.

Atente para as suas características mais marcantes:

  • predomínio da narração.
  • respostas a pelo menos estas perguntas:

O quê? (fato a ser noticiado)

Quem? (identificação dos personagens da notícia)

Como? (contextualização da notícia)

Quando? (localização temporal da ocorrência)

Onde? (localização espacial do fato)

Por quê? (prováveis razões do acontecido).

  • estrutura padrão:

lead (relato sucinto, normalmente como subtítulo; em textos em prosa de vestibulares/concursos/exames deve ser o primeiro parágrafo).

corpo (expansão do “lead” com o detalhamento necessário ao aprofundamento da leitura).

  • título sugestivo, também chamado de manchete (bem conciso e chamativo, com verbos normalmente no presente do indicativo).
  • predomínio da função referencial da linguagem (centralizada no contexto).
  • clareza, precisão, objetividade (preferência para a ordem direta: sujeito + predicado + complementos).

Exemplo de notícia:

Twitter passa por instabilidade e afeta usuários em diversos países

Diversos usuários em diferentes países não estão conseguindo acessar o Twitter na manhã desta terça-feira. Ainda não há informações sobre as causas e o alcance da queda.

O Twitter informou através de seu perfil de suporte técnico que “alguns usuários estão enfrentando problemas de acesso”. A rede social afirma que está trabalhando na resolução do problema, cujas causas não foram informadas.

Alguns usuários no Brasil afirmam que não estão conseguindo acessar a rede social nem pelo celular nem pelo computador. Jornais de outros países do mundo, como o Guardian, também relatam o problema.

Com a falha, a versão móvel de Twitter deixa de atualizar os conteúdos da “timeline” e a versão de computador mostra uma mensagem de erro. O serviço teria deixado de funcionar para diversos usuários do mundo minutos depois das 8h GMT (6h, em Brasília).

Post de perfil oficial do Twitter informa o problema. “Alguns usuários estão tendo problemas para acessar o Twitter. Temos consciência do assunto e estamos trabalhando para solucioná-lo”, diz a mensagem.

Fonte: http://tecnologia.uol.com.br/noticias, acesso em 19/1/16.