Categoria: Enem

Fotografe a estrutura desejável para parágrafos argumentativos

Todo parágrafo dissertativo que se preze é uma unidade de composição do texto.

Normalmente, constitui-se de períodos que se articulam e desenvolvem determinada ideia central (tese), à qual poderão se agregar outras — secundárias —, intimamente relacionadas pelo sentido e logicamente decorrentes dela.

Considere o seguinte exemplo:

Os esportes coletivos contribuem para a socialização (tese), pois (conector) estimulam o congraçamento (argumento 1), fortalecem vínculos de amizade (argumento 2) e, mormente (conectores de adição e ênfase ao argumento mais forte), desenvolvem o espírito de corpo entre grupos afins (argumento 3). É importante, assim, mesmo em pequenas frações, incentivar a sua prática. (conclusão)

Observe que o parágrafo acima observou a seguinte estrutura:

  • introdução (apresentação da  tese, a ideia-força do parágrafo);
  • desenvolvimento (expansão da tese mediante a apresentação dos argumentos que sustentam a tese do parágrafo);
  • conclusão (apresentação da apreciação final).

O parágrafo do exemplo poderia servir de Introdução a um texto de até 30 linhas.

Para dar continuidade, bastaria, nos parágrafos mediais, desenvolver o texto com a reapresentação dos três argumentos, cada qual na forma de tópico frasal (tese) de seu respectivo parágrafo, na mesma ordem segundo a qual tenham sido apresentados.

Restaria, então,  concluir o texto com o quinto parágrafo, no qual você reafirmaria a tese do texto (com outra construção frasal), ofereceria soluções/sugestões à situação-problema da questão e, finalmente, emitiria um parecer final.

Por último, faltaria pensar no título (às vezes, em ambiente de prova, é facultativo).

Fotografar essa concepção de parágrafo é sinal de juízo!

Belos parágrafos, belo texto

Um texto dissertativo requer planejamento, a fim de que bons argumentos sejam estrategicamente desenvolvidos na defesa de uma tese.

Não basta ter ideias sobre determinado assunto, é preciso que você tenha método para a produção textual.

Ainda mais, que saiba fazer uso dos recursos linguísticos para tirar o melhor proveito possível dos seus conhecimentos e posicionamentos críticos.

É preciso que você entenda que, para dissertar bem, necessário será passar por um período de treinamentos a fim de assimilar bem as estruturas frasais e os esquemas mais interessantes conforme cada tema.

Não queira chegar ao texto como produto final de seu trabalho de concatenação das ideias em torno de algum assunto sem antes dar a devida importância à redação das unidades desse todo, ou seja, à produção de cada parágrafo.

Resumindo: para escrever um belo texto, antes de tudo você deve escrever belos parágrafos.

Ou seja, antes de chegar à qualidade do todo, zele pelo virtuosismo de cada unidade desse todo, a saber, o parágrafo.

Disponha-se, portanto, a treinar exaustivamente a redação de parágrafos sobre vários assuntos.

Qual a importância da conclusão no texto dissertativo-argumentativo?

Respondendo à pergunta: no parágrafo de Conclusão você deve reafirmar a tese (a mesma da Introdução, mas com outra construção frasal) e apresentar possíveis soluções/sugestões para a situação-problema da questão.

Ademais, sugere-se emitir uma apreciação final como fechamento do texto.

Seja breve. Não torne a Conclusão muito longa, consuma apenas de 10% a 15% do texto.

Se desejar, comece o parágrafo por uma expressão inicial (“Em face dos argumentos acima desenvolvidos, conclui-se que …” ) ou simplesmente por alguma conjunção conclusiva (“Logo”,Portanto,…”).

Importante:

1. Não conclua sobre o que você não tenha considerado no desenvolvimento.

2. Evite tomar posições críticas radicais, que possam ferir senso comum.

3. Não recorra a apelos na intenção de convencer o leitor, como faça isso ou deixe de fazer aquilo.

4. Mantenha o equilíbrio com o qual você tenha desenvolvido a sua linha de argumentação.

5. Ao apresentar possíveis soluções/sugestões para a situação-problema da questão, além de simplesmente citá-las, explicite como elas poderão ser implementadas.

6. Não termine o texto com ufanismos na intenção de impressionar a banca de correção.

Agora é treinar, treinar e…treinar!

O que tratar no desenvolvimento de um texto dissertativo-argumentativo?

Respondendo à pergunta: em princípio, trate apenas do que tenha sido apresentado na Introdução.

O desenvolvimento deve tomar de 70 a 80% do texto.

Na essência, é a expansão da Introdução em parágrafos mediais que conduzam o leitor pela sua linha de pensamento e argumentação.

Trata-se, estruturalmente,  da reapresentação dos argumentos apresentados na Introdução, agora reescritos (parafraseados) na forma de teses (tópicos frasais) dos seus respectivos parágrafos, seguidos de comentários, exemplos, citações, dados estatísticos, constatações e outros recursos que possam expandir a introdução de cada parágrafo.

Não se esqueça de encadear os parágrafos mediais mediante  vínculos sintáticos e semânticos que contribuam para a coerência e coesão do texto.

Considere o desenvolvimento o “filé” do seu texto, por meio do qual você irá tratar da situação-problema anunciada no pedido da questão com a desejável profundidade.

Não se esqueça de citar as fontes de eventuais dados estatísticos, relatórios e demais citações alheias que você julgar interessantes para o fortalecimento da argumentação.

Evite, no desenvolvimento, rodeios e digressões dispensáveis. Seja retilíneo ao argumentar!

Os exemplos, desde que relevantes e adequados, são importantes para o esclarecimento da argumentação.

Não se esqueça de manter a impessoalidade da linguagem durante todo o desenvolvimento. Usar, por exemplo, a primeira pessoa do singular  (“eu”) na condução da argumentação é suicídio na certa!

Agora é treinar, treinar e…treinar!

Qual a importância da Introdução em dissertações?

A Introdução deve tomar de 10% a 15% do texto dissertativo-argumentativo.

Apesar de breve, é fundamental para atrair a atenção do leitor e orientá-lo quanto ao prosseguimento do texto.

Resume-se, normalmente, na apresentação dos seguintes pontos:

  1. Breve contextualização.**
  2. Tese do texto (preferencialmente logo no início do primeiro parágrafo, na forma de tópico frasal).*
  3. Argumentos que irão sustentar a tese do texto (na ordem crescente de importância!).*
  4. Objetivos do trabalho.**
  5. Plano de curso do texto (como será desenvolvida a argumentação)**

*obrigatoriamente / **facultativamente

Exemplo de Introdução:

Deve-se buscar a excelência em tudo o que se faça (tese), pois (conector) significa desenvolver elevada autoestima (argumento 1), tornar-se referência em atividades profissionais (argumento 2) e, acima de tudo, (conectores de adição e ênfase ao argumento mais forte) premiar a sociedade com o que de melhor se possa oferecer-lhe. (argumento 3) Comprovar essa tese é o objetivo deste trabalho. (objetivos do trabalho) 

Se você julgar interessante apresentar uma breve contextualização (ambientação) antes da  tese, procure ser bastante sucinto, pois do contrário poderá abafá-la.

Quanto aos verbos, observe o paralelismo entre os regentes  desenvolver, tornar-se e premiar. Veja que os três são significativos e estão flexionados no mesmo modo e tempo. 

Agora é treinar, treinar e…treinar!

Como reconhecer um texto dissertativo-argumentativo?

Respondendo à pergunta: é preciso verificar a sua estrutura e a linguagem.

Quanto à estrutura: destaca-se por ser uma composição gráfica por meio da qual o redator opina sobre determinado assunto (ou seja, apresenta uma tese) e busca convencer o leitor do valor de suas convicções mediante a apresentação e o desenvolvimento de argumentos que sustentem o seu ponto de vista.

Quanto à linguagem: caracteriza-se pelo predomínio da função referencial (linguagem centrada no contexto), além da impessoalidade, objetividade e observância da gramática normativa.

Em textos de concursos, sugerimos apresentar e desenvolver os argumentos na ordem crescente de importância, a fim de que o texto vá crescendo de valor do seu início para o final e retenha o interesse e a atenção do leitor pelo seu desfecho.

Exemplo de parágrafo introdutório de um texto dissertativo-argumentativo:

No Brasil, o futebol é importante fator de integração nacional (apresentação da tese), pois (conector) agrega pessoas de diferentes classes sociais em jogos regionais (apresentação do argumento 1), aproxima as regiões político-administrativas em campeonatos nacionais (apresentação do argumento 2) e, mormente, (conectores de adição e ênfase ao argumento mais forte) desenvolve o sentimento de brasilidade, principalmente quando o País participa de competições internacionais. (apresentação do argumento 3). Comprovar essa tese é o objetivo deste trabalho. (apresentação do objetivo do texto)

Bons estudos!

Eis o segredo: treinar, treinar e…treinar.

Escrever razoavelmente bem poderá não satisfazê-lo(a). Para melhorar o seu desempenho, disponha-se a treinar com afinco a produção textual.

Bem sabemos que se trata de uma atividade que lhe exigirá disciplina intelectual para cumprir à risca o planejamento.

O desempenho mínimo desejável de um(a) candidato(a) que esteja se preparando para vestibulares, concursos ou Enem é de dois textos de até 30 linhas por semana.

Produza os trabalhos  nas mesmas condições  da prova de seu interesse, pois você precisa ganhar condicionamento.

Durante os treinamentos, não permita ser interrompido(a), a não ser excepcionalmente (fim do mundo, por exemplo!).

Está comprovado: a regularidade dos treinamentos é fator de sucesso à boa performance linguística. Acredite nisso!

Não deixe de avaliar os seus textos com alguém que entenda do assunto.

Se desejar contratar esse serviço, entre em contato conosco. 

Bons estudos!

Dissertação exige linguagem sadia

Defender uma tese com autoridade, ou seja, emitir uma opinião  sobre determinado assunto e sustentá-la requer habilidade, sensatez e perspicácia. Isso é dissertar!

A sua linha de pensamento e argumentação deve estar isenta de desvios de linguagem e vícios raciocínio que possam comprometer a sobriedade do texto e ferir o senso comum.

Dessa forma, é inadmissível a presença de obscuridades, ambiguidades, radicalismos, generalizações indevidas, conclusões precipitadas, exageros descabidos e demais senões viciosos.

Exemplo de um fragmento problemático:  Na Petrobras só havia corruptos, por isso a reputação da empresa foi de mal a pior.

Na elaboração dessa tese, comete-se grave erro, pois não se deve generalizar a aplicação de um conceito que se refira apenas a uma parte desse todo.

Corrigindo em termos mais adequados a uma dissertação: Alguns diretores da Petrobras envolveram-se em atos de corrupção e macularam a reputação da empresa no mercado petrolífero internacional.

Melhorou, não?

Em nossos e-books Redação para Vestibulares, Concursos e Enem e Dissertação Nota Mil você encontrará vários outros exemplos a respeito desse assunto.

Bons estudos!

Não cometa suicídio!

O texto dissertativo repele o uso da primeira pessoal do singular (“eu”) na condução da argumentação.

Exemplo: Constatei muitos danos depois da tempestade tropical.

Corrigindo: Constataram-se muitos danos depois da tempestade tropical.

Que recursos você teria, então, para fugir do “eu”? Veja alguns:

  • emprego dos verbos no modo infinitivo: Constatar muitos danos depois da tempestade tropical dimensionou a gravidade da situação.
  • nomilização (ou substantivação) do verbo: A constatação de muitos danos depois da tempestade tropical dimensionou a gravidade da situação.
  • uso da voz passiva analítica: Foram constatados muitos danos depois da tempestade tropical.
  • emprego da voz passiva sintética: Constataram-se muitos danos depois da tempestade tropical.

Guarde esta: usar a primeira pessoa do singular em dissertações é suicídio!

Agora é treinar, treinar e…treinar!

Saia do olho do furacão!

Quem disserta pode ser comparado a um jornalista que esteja preparando matéria in loco sobre uma anunciada tempestade tropical.

Ora, se ele entrar no olho do furacão, não terá condições de observar o fenômeno da natureza a distância nem de avaliar as suas medidas; com isso, a qualidade do seu trabalho estará comprometida.

Você, como dissertante, da mesma forma, deve afastar-se do tema da Questão de Redação para poder analisá-lo de forma bem criteriosa e isenta de paixões e vícios de raciocínio.

A função referencial da linguagem, por estar centrada no contexto, coíbe os personalismos, inibe os exageros de quem escreve e contribui para o equilíbrio do texto. Por isso mesmo é a mais indicada para as dissertações.

Portanto, não se emocione nem se apaixone pelo assunto sobre o qual você esteja dissertando.

Ainda mais, fuja dos exageros e seja preciso em todos os seus enunciados.

Não significa dizer que os posicionamentos críticos devam ser mornos, frouxos; muito pelo contrário, devem primar pela firmeza da linguagem (sem perder a elegância!), já que a lassidão só desmerece a argumentação e mina o poder de convencimento do texto.

Evite excessos como o do seguinte exemplo: Os políticos são uns canalhas que só se preocupam em locupletar-se. Papuda neles!

Observe os exageros do período lido:

  • nem todos os políticos prevaricam no exercício de seus mandatos (a generalização tem sido um vício de raciocínio dos mais comuns em redações).
  • chamar indistintamente todos os políticos de canalhas é um despropósito, pois não cabe a quem disserta julgar esse mérito.
  • a palavra canalhas, pelo valor pejorativo que assumiu, aponta para um posicionamento no mínimo deselegante do autor, o que de longe é interessante em textos dissertativos.
  • Papuda, como você deve saber, é um complexo penitenciário localizado no entorno do Distrito Federal. Ora, não diz respeito a quem disserta chegar a esse nível de agressividade, pois somente à Justiça cabe julgar quem deva ou não ser recolhido à prisão pelos atos cometidos.

Corrigindo: Há homens públicos que não merecem a representatividade delegada pelo povo quando buscam o enriquecimento ilícito. Justiça é o que se pede.

Agora é treinar, treinar e…treinar!