Categoria: Concursos

Não cometa suicídio!

O texto dissertativo repele o uso da primeira pessoal do singular (“eu”) na condução da argumentação.

Exemplo: Constatei muitos danos depois da tempestade tropical.

Corrigindo: Constataram-se muitos danos depois da tempestade tropical.

Que recursos você teria, então, para fugir do “eu”? Veja alguns:

  • emprego dos verbos no modo infinitivo: Constatar muitos danos depois da tempestade tropical dimensionou a gravidade da situação.
  • nomilização (ou substantivação) do verbo: A constatação de muitos danos depois da tempestade tropical dimensionou a gravidade da situação.
  • uso da voz passiva analítica: Foram constatados muitos danos depois da tempestade tropical.
  • emprego da voz passiva sintética: Constataram-se muitos danos depois da tempestade tropical.

Guarde esta: usar a primeira pessoa do singular em dissertações é suicídio!

Agora é treinar, treinar e…treinar!

Saia do olho do furacão!

Quem disserta pode ser comparado a um jornalista que esteja preparando matéria in loco sobre uma anunciada tempestade tropical.

Ora, se ele entrar no olho do furacão, não terá condições de observar o fenômeno da natureza a distância nem de avaliar as suas medidas; com isso, a qualidade do seu trabalho estará comprometida.

Você, como dissertante, da mesma forma, deve afastar-se do tema da Questão de Redação para poder analisá-lo de forma bem criteriosa e isenta de paixões e vícios de raciocínio.

A função referencial da linguagem, por estar centrada no contexto, coíbe os personalismos, inibe os exageros de quem escreve e contribui para o equilíbrio do texto. Por isso mesmo é a mais indicada para as dissertações.

Portanto, não se emocione nem se apaixone pelo assunto sobre o qual você esteja dissertando.

Ainda mais, fuja dos exageros e seja preciso em todos os seus enunciados.

Não significa dizer que os posicionamentos críticos devam ser mornos, frouxos; muito pelo contrário, devem primar pela firmeza da linguagem (sem perder a elegância!), já que a lassidão só desmerece a argumentação e mina o poder de convencimento do texto.

Evite excessos como o do seguinte exemplo: Os políticos são uns canalhas que só se preocupam em locupletar-se. Papuda neles!

Observe os exageros do período lido:

  • nem todos os políticos prevaricam no exercício de seus mandatos (a generalização tem sido um vício de raciocínio dos mais comuns em redações).
  • chamar indistintamente todos os políticos de canalhas é um despropósito, pois não cabe a quem disserta julgar esse mérito.
  • a palavra canalhas, pelo valor pejorativo que assumiu, aponta para um posicionamento no mínimo deselegante do autor, o que de longe é interessante em textos dissertativos.
  • Papuda, como você deve saber, é um complexo penitenciário localizado no entorno do Distrito Federal. Ora, não diz respeito a quem disserta chegar a esse nível de agressividade, pois somente à Justiça cabe julgar quem deva ou não ser recolhido à prisão pelos atos cometidos.

Corrigindo: Há homens públicos que não merecem a representatividade delegada pelo povo quando buscam o enriquecimento ilícito. Justiça é o que se pede.

Agora é treinar, treinar e…treinar!

Valorize o seu posicionamento

Você seria capaz de convencer o leitor a comprar uma vela usada?

Quem disserta precisa colocar-se nessa situação, principalmente em textos argumentativos.

A “vela usada”, em seu caso, será a ideia-força do texto argumentativo.

Em situação de prova, você será solicitado(a) a emitir opinião própria sobre determinado assunto, sobre o qual não necessariamente você terá completo domínio, ou alguma situação-problema, a respeito da qual você não seja especialista.

Em qualquer situação, não fique em cima do muro, como quem não tenha nada a escrever, pois a falta de elaboração de uma tese consistente poderá denunciar falta de segurança, conhecimento ou discernimento.

Emita a sua opinião (tese) de maneira bem direta e sucinta, de forma impessoal e desapaixonada.

Exemplo de tese: O envelhecimento da população brasileira trará  substancial sobrecarga  às contas públicas nas próximas duas décadas.

Quanto ao mais, para produzir uma dissertação argumentativa de até 30 linhas, você deverá seguir os seguintes passos:

  • levantar pelo menos dois argumentos (para textos de até 30 linhas) que sustentem a tese;
  • na Introdução, emitir uma breve contextualização (se for o caso), apresentar a tese, os objetivos do trabalho e o plano de curso da redação;
  • no Desenvolvimento, reapresentar os argumentos (na mesma ordem segundo a qual tenham sido apresentados no primeiro parágrafo) na forma de teses dos seus respectivos parágrafos e expandi-los (por exemplificação, citação de dados, constatações, comentários).
  • na Conclusão, reafirmar a tese do texto (a mesma da Introdução, com outra construção frasal), apresentar soluções ao problema tratado no texto (se for o caso)  e emitir uma apreciação final.
  • Simples, não? Nem tanto…

Agora é treinar, treinar e…treinar!

As aparências enganam

Texto dissertativo é toda unidade gráfica de comunicação que contenha uma mensagem ou  ideia-força  a ser enviada a um destinatário com objetivo(s) definido(s): expor, argumentar ou refutar.

A produção de textos argumentativos em situação de prova, portanto, deve ter uma ideia-força enviada por você, normalmente em até 30 linhas (a sua redação), a um receptor (a banca de correção do seu concurso, vestibular ou Enem) que possa entendê-la facilmente.

É preciso, assim, considerar a importância da clareza do que esteja escrito, a fim de que a mensagem seja bem entendida e avaliada por quem de direito.

Não se esqueça de que toda produção textual requer:

  • planejamento minucioso (esboço ou esquema);
  • levantamento e seleção das melhores ideias;
  • exímia articulação dos enunciados;
  • coerência;
  • vocabulário adequado ao nível de escolaridade exigido do(a) candidato(a);
  • linguagem sucinta e atraente.
  • fluidez (capaz de conduzir o leitor da primeira à última linha com crescente interesse pelo seu desfecho.)

O que estiver fora disso poderá ser apenas um amontoado de palavras e ideias desconexas em determinado número de linhas. Jamais um texto.

As aparências às vezes enganam candidatos desavisados que preenchem 30 linhas e pensam ter produzido belos textos.

A decepção vem com o resultado. E muitos são reprovados apenas em redação, o que é uma pena!

Por isso, reiteramos a máxima atenção ao estudo e à prática semanal da Redação.

Seja você mesmo(a)!

Preparar-se para a resolução de questões de Redação requer alguns cuidados.

Observe os comentários que seguem:

  • esteja sempre aberto(a) a sugestões, mas não tema adotar estilo próprio de escrever.
  • logicamente, não fuja do padrão culto de manifestação do pensamento.
  • não se intimide, creia no seu potencial e na sua criatividade.
  • você pode até inspirar-se nos outros, mas jamais tente copiá-los.
  • estude com afinco e aplique tudo o que aprender.
  • acredite na superação de eventuais dificuldades.
  • com perseverança e continuada dedicação aos estudos, você vencerá todos os temores.
  • assuma o compromisso de treinar a produção textual pelo menos duas vezes por semana.
  • durante os treinamentos, crie as condições mais próximas possíveis das que você encontrará no dia da prova.
  • procure produzir o texto de até 30 linhas em 1h30min, ininterruptamente.
  • antes de começar os trabalhos, desligue o celular e desconecte a mente de problemas e preocupações outras.
  • crie o hábito de submeter os seus trabalhos para avaliação. 
  • se desejar esse serviço, entre em contato conosco.

Bons estudos!

Opine, você não é um jarro de flores!

Ter opinião própria firmada sobre qualquer assunto é a semente de todo texto dissertativo-argumentativo.

Crie, assim, o hábito de tomar posicionamentos sobre possíveis temas de questões de redação.

Ainda mais, busque argumentos precisos e coerentemente articulados que possam sustentar a sua opinião (tese).

Por exemplo, o que você pensa sobre a obrigatoriedade do voto a maiores de 18 anos no Brasil?

Você é favorável ou desfavorável? Pelo sim ou pelo não, pense bem e posicione-se.

Agora levante pelo menos dois argumentos para textos de até 30 linhas, duas ou mais ideias-força que irão sustentar a  tese.

Parabéns, o primeiro parágrafo já está prestes a ficar pronto.

Siga a seguinte estrutura: tese (opinião) +  argumentos 1 e 2 (na ordem crescente de importância!) + objetivos(s) do texto + plano de curso .

Exemplo: Obrigar os eleitores brasileiros a comparecer às urnas em períodos eletivos não condiz com o estado democrático, pois trata-se de arbítrio injustificável do poder público e, o que é mais grave, de convite à formação de currais eleitorais. Comprovar essa tese é o objetivo deste trabalho.

No prosseguimento, retome os argumentos, na mesma ordem segundo a qual tenham sido apresentados no primeiro parágrafo, desta vez na forma de teses, e expanda-os em parágrafos mediais.

Na conclusão, reafirme a tese do texto, apresente possíveis soluções ao problema da questão (se houver) e emita um parecer final.

Agora é treinar, treinar e…treinar a produção textual!

 

A importância da interpretação de textos

Não basta conhecer apenas as técnicas de produção textual propriamente ditas.

Importa também saber interpretar textos de apoio, os enunciados e os comandos das questões.

Do contrário, você poderá ser traído(a) por qualquer desatenção ou sutileza do pedido e correr o risco de escrever sobre o que não se pediu.

Há propostas de redação que já oferecem o tema (assunto) sobre o qual você deva dissertar.

Exemplo: Disserte sobre a importância dos hábitos de leitura.

Outras, entretanto, mais seletivas, apresentam comandos que obrigam o(a) candidato(a) a inicialmente ler e interpretar textos, tiras, charges, fotografias, gráficos e quaisquer outras informações de apoio para somente depois depreender o tema sobre o qual deva dissertar.

Exemplo: Disserte sobre o tema depreendido da leitura e interpretação da charge em destaque.

Conselho: treinar, portanto, a resolução de questões objetivas de interpretação de textos desenvolverá a sua acuidade e evitará surpresas desagradáveis.

Se desejar aprofundar os estudos, adquira os nossos livros Redação para Vestibulares, Concursos e Enem e Dissertação Nota Mil.

Em Fortaleza, como livros impressos, você poderá encontrá-los no Shopping Avenida (Loja HBM).

Boa leitura!

O que se espera de você na Competência 5 do Enem

O quinto aspecto a ser avaliado no seu texto é a apresentação de uma proposta de intervenção para o problema abordado.

Assim, a sua redação, além de apresentar a tese sobre o tema, apoiada em argumentos consistentes, precisará oferecer proposta(s) de intervenção na vida social.

Ou seja, você deverá oferecer possível(is) solução(ões) para o problema tratado no enunciado e nos textos de apoio da questão.

Assim, a(s) sua(s) proposta(s) deve(m) manter vínculo direto com a tese desenvolvida e manter coerência com os argumentos utilizados.

Partindo-se de uma proposta de redação que apresente uma situação-problema, como tem sido habitual nas provas do Enem, conclui-se que toda a construção da argumentação deva ter como objetivo a apresentação de possíveis soluções para a questão levantada.

A(s) solução(ões), porém, deve(m) resultar de uma relação lógica e coerente com os argumentos, as opiniões, informações e os dados apresentados no desenvolvimento.

Ademais, embora seja muito difícil que isso ocorra, até porque muitas formas de preconceitos e/ou desrespeito aos valores humanos recebem hoje algum tipo de sanção legal, é aconselhável cautela diante de seu posicionamento a respeito de determinadas questões relacionadas a preconceito racial, social e/ou religioso, à prática de tortura ou apologia à violência de qualquer espécie ou ao consumo de drogas.

Por quê você deve ser cauteloso(a)? Porque ideias e/ou concepções retrógradas e pouco ortodoxas acerca dos temas acima vão contra as muitas conquistas sociais, políticas e culturais sedimentadas depois de décadas ou até mesmo séculos de luta por justiça social e respeito à integridade humana.

Mais um conselho: procure evitar propostas vagas, gerais. Para tal,  busque sugestões concretas, específicas e consistentes com o desenvolvimento de suas ideias. Antes de elaborá-la(s), procure responder às seguintes perguntas: O que é possível fazer para solucionar a situação-problema da questão? A minha proposta é oportuna, equilibrada e praticável?

O seu texto será avaliado, portanto, com base na combinação dos seguintes critérios:

a) presença de proposta x ausência de proposta.

b) proposta explícita x proposta implícita.

c) proposta com detalhamento dos meios para sua realização x proposta sem o detalhamento dos meios para sua realização.

Olho vivo!

O que se espera de você na Competência 4 do Enem

Os aspectos observados na Competência 4 do Enem dizem respeito à estruturação lógica e formal entre as partes do texto como resultado da combinação de um conjunto de ideias associadas em torno de uma ideia a ser defendida: a tese.

Não basta selecionar os melhores argumentos; mais do que isso, você deve organizá-los de modo lógico, coeso e coerente.

Para tal, é fundamental utilizar os chamados elementos de coesão textual e/ou os organizadores argumentativos, como, por exemplo, advérbios, locuções adverbiais e conjunções, estabelecendo relações adequadas entre termos e também entre parágrafos, sobretudo no desenvolvimento do texto, a fim de que o sentido seja construído de maneira clara e objetiva.

É preciso, ainda, saber utilizar um repertório linguístico ou vocabular adequado ao tema e aos objetivos do texto.

Isso não significa, em hipótese alguma, valer-se, de maneira desenfreada, de termos e/ou expressões considerados mais rebuscados ou eruditos no intuito de impressionar a banca de correção.

Lembre-se de que simplicidade é virtude. Valha-se, pois, dos variados recursos linguísticos à sua disposição como garantia da coesão textual.

O Guia do Participante do Enem recomenda as seguintes estratégias:

  • substituição de termos ou expressões por pronomes pessoais, possessivos e demonstrativos, advérbios que indicam localização, artigos.
  • substituição de termos ou expressões por sinônimos, antônimos, hipônimos, hiperônimos, expressões resumitivas ou expressões metafóricas.
  • substituição de substantivos, verbos, períodos ou fragmentos do texto por conectivos ou expressões que resumam e retomem o que já foi dito.
  • elipse ou omissão de elementos que já tenham sido citados anteriormente ou sejam facilmente identificáveis.

Resumindo, na elaboração da redação, você deve, pois, evitar:

  • frases fragmentadas que comprometam a estrutura lógico-gramatical.
  • sequência justaposta de ideias sem encaixamentos sintáticos que reproduzam hábitos da oralidade.
  • frase com apenas oração subordinada, sem oração principal.
  • emprego equivocado de conectores (preposição, conjunção, pronome relativo, alguns advérbios e locuções adverbiais) que não estabeleçam relações lógicas entre trechos do texto e prejudiquem a compreensão da mensagem.
  • emprego do pronome relativo sem a preposição, quando obrigatória.
  • repetição ou substituição inadequada de palavras sem se valer dos recursos oferecidos pela língua (pronomes, advérbios, artigos, sinônimos, hiperônimos etc.).

Não deixe de treinar a produção textual semanalmente, pelo menos duas vezes!

O que se espera de você na Competência 3 do Enem

Não basta apresentar dados e informações ou mesmo expressar sua opinião ou expor argumentos se você não for capaz de selecionar aqueles que de fato apresentam pertinência com o tema proposto.

Ademais, além de uma seleção criteriosa de dados, informações e argumentos, é primordial saber organizar as ideias e apresentar a sua interpretação para a situação-problema em questão, estabelecendo relações lógicas e coerentes e fazendo a sua leitura da realidade, a fim de demonstrar seu ponto de vista em relação ao tema proposto.

Essa Competência trata da inteligibilidade do texto, da coerência e da acessibilidade. Está, pois, ligada a mecanismos que facilitem a compreensão e  a  interpretação do que você escreveu.

Depende, portanto, dos seguintes fatores:

  • unidade temática (ausência de fugas).
  • relação lógica entre as partes do texto.
  • precisão vocabular.
  • desenvolvimento progressivo das ideias do texto.
  • adequação entre o conteúdo do texto e o mundo real.
  • ausência de vícios de raciocínio, tais como generalizações indevidas e extremismos.

Olho vivo!