Fuja dos radicalismos e das generalizações indevidas!

Quando o autor de uma dissertação radicaliza ou generaliza indevidamente na apreciação de alguma situação-problema, compromete fortemente a qualidade do texto.

Uma boa dica para você não cair nessas ciladas é evitar  o emprego dos advérbios e os pronomes da família nunca, sempre, ninguém, todos, tudo e nada, pois poderão sugerir, além de generalização, radicalismo desaconselhável.

Exemplo: Os problemas do Brasil nunca serão solucionados, pois nada se faz contra a imoralidade dos homens públicos.

Observe os seguintes comentários:

  • com que autoridade pode-se afiançar que nunca os problemas do Brasil serão solucionados?
  • ainda mais, nada é um pronome que indica coisa nenhuma e enfraquece o peso da argumentação, haja vista que basta uma única ação corretiva que combata a imoralidade dos homens públicos ser efetivada para derrubar essa tese.
  • outra questão: o texto é impreciso, pois a que tipo de imoralidade dos homens públicos o texto remete o leitor, pessoal ou funcional? Não se sabe.
  • finalmente, comete-se erro de generalização: quem são esses homens públicos? Todos? Nem pensar…
  • outra pergunta sem resposta: a que categoria de homens públicos o texto se refere?
  • essas questões não respondidas pelo texto enfraquecem a  argumentação, já que basta um único homem público contrariar essas expectativas para desbancar a tese.

Corrigindo: Os problemas do Brasil começarão a ser solucionados quando políticos condenados pelos seus respectivos conselhos de ética  forem impedidos de assumir cargos  públicos.

Ficou bem melhor, não?

Agora é com você, sem radicalismos nem generalizações indevidas!

Se você desejar aprofundar o estudo, adquira os e-books de nossa autoria, campeões de venda na Amazon: Em Fortaleza, como livros impressos, você poderá encontrá-los nas livrarias Acadêmica (Shopping Aldeota), Saraiva (Shopping Iguatemi) e loja HBM (Shopping Avenida). Agora é treinar, treinar e… treinar!