Saiba estabelecer relações de implicação adjetivas

As relações de implicação adjetivas entre os enunciados da sua argumentação poderão, conforme o caso, ser estabelecidas com o emprego de orações  subordinadas introduzidas por pronomes relativos (que, o qual, cujo…):

  • explicativas. Ex.: As meninas, que são sensíveis, gostam de confidências.
  • restritivas. Ex.: Feliz o pai cujos filhos são estudiosos.

Nesses casos, fique atento(a) ao emprego das vírgulas.

Veja bem: se, no primeiro exemplo, você deixar de virgular, o sentido do discurso mudará completamente, pois somente as meninas sensíveis passarão a gostar de confidências.

Muitas vezes é possível trocar uma oração adjetiva por apenas um adjetivo que lhe equivalha.

Qual a vantagem dessa troca? Você ganha em concisão!

Exemplo: Os alunos que não se interessarem pelo passeio deverão permanecer na biblioteca.

A oração em negrito é adjetiva restritiva e pode ser substituída por um adjetivo que qualifique o nome ao qual se refira.

Exemplo: Os alunos desinteressados pelo passeio deverão permanecer na biblioteca.

Resultado: você economizou três palavras!

Com isso, de economia em economia você otimizará o uso das linhas disponíveis  para desenvolver novas ideias ou aprofundar a discussão temática.

Só mais uma observação: em dissertações, você já sabe, a linguagem deve primar pela precisão da linguagem.

Sendo assim, empregue os adjetivos moderadamente e somente quando você discernir que possam contribuir para a sua argumentação.

Outras dicas você poderá encontrar em nosso livro Redação para Vestibulares, Concursos e Enem.

Bons estudos!

 

Se você desejar aprofundar o estudo, adquira os e-books de nossa autoria, campeões de venda na Amazon: Em Fortaleza, como livros impressos, você poderá encontrá-los nas livrarias Acadêmica (Shopping Aldeota), Saraiva (Shopping Iguatemi) e loja HBM (Shopping Avenida). Agora é treinar, treinar e… treinar!